sábado, 7 de novembro de 2009

RESSENTIMENTOS


Choramos...sofremos.



Errantes...

deixamos brotar dentro de nós a mágoa,

erva daninha que faz tanto mal.



Por instantes pensamos em perdão.



Mas ele permanece.

Guardado no peito em anonimato

num traje preto sem que o reconheçamos.



É necessário abrir o coração

reaprender o idioma das preces já esquecidas

agarrando-se à energia de um abraço indomado.



Não fomos moldados para a guerra

esse pesado fardo que pesa nos ombros

diminuindo o passo de nossa caminhada.



Somos iguais...

feitos de argila virgem

com a mesma nudez e fragilidade de sentimentos

buscando os mesmos sonhos e anseios.



Exercitemos o perdão...todos os dias!

a vida é curta demais e preciosa demais

para longos ressentimentos.



Rosy Moreira

Um comentário:

Eunice Couto disse...

Lindo, fantástico, doce, sutil, real... não podemos alimentar o mal em nós...

Beijos